Como a Loft faz a análise jurídica dos seus imóveis?

cropped-analise-juridica-loft-3.jpg
Tempo de leitura: 4 minutos

O time jurídico da Loft está a postos para conduzir os processos de compra e venda, que passam por tripla fiscalização e trazem mais segurança. Entenda!

O modelo de negócios da Loft hoje tem como característica encaminhar todas as transações imobiliárias de forma que sejam conduzidas por corretores de imoveis parceiros,  ainda que elas tenham chegado por indicação de clientes finais(vendedor ou comprador do apartamento). Sempre com o objetivo de facilitar a compra e venda de imóveis no país, que ainda rende frequentes dores de cabeça.

Muitos desses problemas são de natureza jurídica e/ou burocrática. Para combatê-los, a Loft criou uma equipe jurídica interna com larga experiência no mercado imobiliário e que está disponível para auxiliar o cliente e/ou o corretor, sem custos extras.

É preciso destacar que a Loft não é uma intermediária, e sim a proprietária dos apartamentos à venda em São Paulo e potencial proprietária daqueles que avalia para aquisição. Juridicamente, suas responsabilidades se alinham de acordo com isso. Com um importante adicional: trata-se de um fundo de investimento imobiliário e, portanto, segue à risca a legislação vigente no Brasil.

“Fora do juridiquês, um fundo de investimento imobiliário funciona como um condomínio de prédio: os investidores colocam seu dinheiro neste fundo e há muitos donos, cada um com seu pedaço”, começa Carolina Rizzi. “Como a Loft compra e vende imóveis por intermédio do fundo, ela precisa reportar [suas transações] para a Comissão de Valores Mobiliários e para um administrador, o Banco Modal.” 

Na prática, isso significa maior segurança para todas as partes, visto que uma transação precisa seguir um processo bem delineado de tripla fiscalização dos documentos (cada ator faz sua análise). Com um aceno positivo de todos, o negócio pode seguir. 

Mesmo com essas confirmações externas, o processo é concluído mais rapidamente do que no modelo tradicional: em média, leva cerca de 40 dias a partir do fechamento comercial. 

Leia também: Quais são as diferenças entre a Loft e uma imobiliária?

Como a Loft lida com a burocracia?

Por saber exatamente quais são os documentos necessários para tocar o processo, a Loft criou um fluxo simplificado e se encarrega, ela mesma, de buscar os papeis públicos necessários.

Fazemos um pacote de documentos de domínio público para analisar risco de aquisição, regularidade fiscal, etc. Como fazemos isso sempre e somos bem estruturados, ganha-se um tempo valioso”, fala Marina Cavalli, também da equipe jurídica. Os documentos que compõe esse pacote são:

  • Matrícula do imóvel
  • Certidões de distribuidores (dos vendedores, empresas que os vendedores são sócios, antigos proprietários e condomínio)
  • Certidões de regularidade fiscal (do imóvel, dos vendedores, empresas que os vendedores são sócios, antigos proprietários e condomínio)

Toda esta documentação é obtida de forma independente pela Loft, sem necessidade dos vendedores terem que ir atrás de dezenas de certidões emitidas por diferentes órgãos públicos. Somente é solicitado para os vendedores aqueles documentos não públicos, aos quais a Loft não consegue ter acesso sozinha (em geral, documentos sujeitos a sigilo fiscal ou judicial). 

Em paralelo, o time redige o Compromisso de Compra Venda (CCV) e, depois de apresentados todos os esclarecimentos solicitados, a escritura pública do imóvel. Em ambos os casos, os clientes podem optar por receber a Loft em um local conveniente ou visitar a sede da empresa (que fica nos Jardins, em São Paulo) para assinar os papéis. 

“Gostamos de trazer os clientes para cá para que conheçam a sede da Loft e vejam pessoalmente quem são as pessoas com quem estão lidando, mas também podemos ir até eles, se assim preferirem”, pontua Carolina.

Quais são as vantagens jurídicas da Loft para corretores?

A Loft vê corretores – que podem se tornar parceiros com um breve cadastro gratuito – como fundamentais para o sucesso de seu negócio, e isso se desdobra nas facilidades jurídicas que oferece a eles. 

Seu papel principal é de facilitadora. Para quem deseja vender apartamento de seus clientes para a Loft, há critérios claros para aquisição, que agilizam a transação, e pagamento à vista. Para quem vai representar os apartamentos do portfólio, há uma gama crescente de imóveis renovados com alto valor agregado e documentação em dia. 

No mercado em geral os corretores são aqueles que buscam e analisam todas as certidões necessárias para se avaliar a segurança jurídica de uma venda e compra. Porém, com a Loft todo esse trabalho é feito por sua equipe jurídica especializada e referendada pela avaliação do Banco Modal, dispensando o corretor, quando vende para a Loft, deste trabalho, e dando a tranquilidade para o corretor, quando compra imóveis da Loft, que uma análise criteriosa foi feita.

“Na nossa ponta, o corretor tem alguém que quer muito fazer negócio e trabalha ativamente para não incomodar seu cliente“, diz Marina. “E como a Loft tem muitos apartamentos, eventualmente o corretor cria uma relação com ela. É como se fosse um cliente com muitos ativos.” Assim, permite-se que o trabalho do corretor seja centralizado e acelerado em um único canal. 

Vale destacar que, por trás de todo o processo, há uma equipe (jurídica, de vendas, de arquitetura, entre outras) a postos para tirar quaisquer dúvidas e tornar o processo de compra e venda mais tranquilo e prazeroso

Leia também: Porque um corretor não precisa temer perder clientes para a Loft

Como a Loft garante a comissão do corretor juridicamente?

Parte importante do trabalho de corretor é garantir sua comissão, e a Loft sabe disso. 

Quando um profissional intermedia a venda de um apartamento de seu cliente para a Loft, essa comissão é acordada entre corretor e proprietário, informada à Loft e se torna uma cláusula contratual. No CCV, estarão divulgados os valores, prazos e conta bancária a ser creditada. 

Ao vender um imóvel da Loft para um cliente, o corretor garante uma comissão de 6% (para apartamentos prontos) ou 7% (em obras) da própria Loft. Ela também se torna uma cláusula contratual do CCV, com as mesmas informações que a anterior.

Mas é importante destacar que a comissão é devida somente se o negócio é finalizado, ou seja, quando se assina a escritura. Isto porque, a assinatura do CCV só é a primeira etapa do trabalho, havendo o passo seguinte (mais importante) que é a solução de toda a documentação para a assinatura da escritura.

 Outras situações legais são esclarecidas em nossa política para corretores, acessível neste link. Caso ainda tenha dúvidas, sinta-se à vontade para entrar em contato conosco pelo e-mail tenhointeresse@loft.com.br.