O Art Déco e seus edifícios no Brasil e no mundo

art-deco-loft
Tempo de leitura: 7 minutos

Representação arquitetônica e artística do otimismo e do progresso tecnológico, o Art Déco marcou época e ainda se destaca nas ruas.

Como todo grande estilo, o Art Déco é filho de seu tempo. Em uma época de rápidas transformações sociais e tecnológicas (rádios, aviões, telefones, telégrafos, entre guerras, jazz, swing), artistas queriam responder com algo fora dos moldes clássicos rumo à modernidade.

Constituído logo depois do Art Nouveau, aproveitou sua quebra de padrões antigos em preferência da decoração da vida com a beleza e as linhas curvas da natureza. O diferencial do Art Déco – também inspirado por movimentos artísticos como cubismo e Bauhaus – se deu através de sua adoção de novos materiais como alumínio, cromado e baquelite e da opção por linhas geométricas. Esses dois fatores representavam a interface artística entre seres humanos e as máquinas que agora os rodeavam.

Aplicado em edifícios, móveis, estações de metrô, desenhos, cinemas, roupas, carros, cruzeiros, rádios, joias, papeis de parede e muito mais, esse modelo de arte decorativa se tornou representante de um estilo de vida luxuoso, otimista, opulento e exuberante, que confiava no progresso rápido. Como se sabe, tal otimismo logo se defrontou com a Grande Depressão nos EUA, iniciada em 1929, e com o começo da Segunda Guerra Mundial, em 1939.

Um século depois, no entanto, esse estilo se mantém influente e suas criações originais seguem de pé mundo agora. Aliás, a maior de todas as construções Art Déco do mundo fica no Brasil: a estátua do Cristo Redentor, arquitetada por Paul Landowski, Albert Caquot e Heitor da Silva Costa em 1931.

art-deco-cristo-redentor-loft
O Cristo Redentor, no Rio, é a maior construção Art Déco do mundo

O que é Art Déco 

Além de ser hoje um estilo, Art Déco também foi considerado um movimento artístico e arquitetônico que surgiu nos anos 1920, na Europa. Seu nome deriva da mostra Exposition Internationale des Arts Décoratifs et Industriels Modernes, que aconteceu em 1925, em Paris, e onde foi exibido pela primeira vez.

A ideia era criar objetos elegantes que confrontavam a ideia de elegância tradicional e eram epítome da riqueza e da sofisticação modernos. Chegou aos Estados Unidos nos anos 1930 e, não por acaso, é a estética que embala de um dos grandes clássicos da literatura americana, O Grande Gatsby.

No vídeo acima, cena de O Grande Gatsby em adaptação de 2013: tempos de grande otimismo e exuberância deram origem ao estilo Art Déco, que delineou esse período histórico

Art Déco: características

No Art Déco, características incluíam a admiração pelo progresso tecnológico, pela modernidade, pela máquina e por objetos feitos por máquinas. Por isso, na prática se traduziam como preferência por:

  • Simetria
  • Simplicidade
  • Repetição de elementos
  • Linhas geométricas e elegantes
  • Ornamentos geométricos ou estilizados inspirados por criações naturais, como animais, raios de sol e flores
  • Combinação entre materiais tecnológicos (plástico, concreto, metal, vidro) e materiais naturais (prata, marfim, platina, madeira, jade)
No vídeo acima, uma pequena aula sobre o que é o Art Déco

O que influenciou esse estilo Decorativo?

Além do Art Nouveau, cubismo e Bauhaus, outros movimentos serviram de inspiração e influência, como futurismo e construtivismo e as artes antigas das civilizações egípcia, asteca e hindu.

Como o Art Déco expunha o que se acreditava ser o “bom gosto” da sociedade, também se inspirou no que havia em voga na época nas ruas de Paris. A companhia de balé de origem russa Ballets Russes, por exemplo, entrou para a história da dança e da arte ao se inspirar nesse estilo. O trabalho do arquiteto, urbanista e artista Le Courbusier foi outra grande influência.

Acima, documentário da BBC sobre design dos anos 1920 e 1930 apresenta o contexto dos tempos e os estilos presentes

Art Déco: arquitetura

O Art Déco na arquitetura teve grandes aplicações que ainda hoje dominam o skyline e o imaginário popular. Três dos edifícios mais famosos do mundo, o Chrysler Building, o Empire State Building e o 30 Rockefeller, todos em Nova York, foram construídos nesse estilo artístico, assim como boa parte dos prédios históricos da região central de Manhattan.

art-deco-new-york-loft
À direita, o Chrysler Building. À esquerda, o 30 Rockefeller

Como descreve a acadêmica Telma de Barros Correia, o Art Déco na arquitetura foi marcado pelo uso de marquises, colunas, pilastras, formas simplificadas e platibandas, como são chamadas as faixas que fazem a moldura da parte de cima de um edifício para esconder seu telhado. Além disso, é frequente ver escalonamento de andares, pontas angulosas e adornos em ziguezague ou linhas exageradamente retas na superfície.

Muitas vezes a aplicação desse estilo de arte ia além da fachada, se estendia pelo lobby e chegava até os elevadores. As portas dos elevadores do Chrysler, por exemplo, são tidas como objetos essenciais nesse estilo de arte e constam em guias turísticos como ponto de interesse histórico.

O design geométrico em meio de painéis de madeira lustrosa, aliado aos elementos abstratos futuristas em metal, criam uma imagem inconfundível :

art-deco-classica-loft

Art Déco: mobiliário 

O principal nome do Art Déco no mobiliário foi Émile-Jacques Ruhlmann, designer que exibiu suas peças na exposição de 1925. Encantado pela riqueza, preferia matérias-primas de ponta, como madeiras nobres e exóticas e detalhes em marfim, casco de tartaruga, madrepérola e seda.

Como o ápice do bom gosto no mobiliário à época eram os modelos do século 18, Ruhlmann tornou-os mais modernos ao desenhar linhas mais simples e curtas. Camadas em cima de camadas de material, geralmente bem finas e com detalhes em tiras, eram polidas e envernizadas. Dispostas de tal maneira que pareciam pertencer a um único pedaço de madeira, deixavam a superfície macia e brilhante.

O restauranteur Jean Denoyer se tornou colecionador e expert em Émile-Jacques Ruhlmann, principal designer do estilo Art Déco e fala sobre sua coleção no vídeo acima

Se o design em si agradava, os materiais ultra-nobres utilizados por Ruhlmann foram criticados por outros grandes nomes desse estilo de arte decorativa como escolhas elitistas. Eventualmente, o mobiliário ganhou versões mais simples feitas com materiais modernos, como alumínio e madeira compensada.

art-deco-Jacques-Ruhlmann-loft
Madeiras trabalhadas de forma unificada, linhas concisas, traços geométricos e brilho marcaram o mobiliário Art Déco, como neste exemplar de Jacques-Emile Ruhlmann

Art Déco no Brasil

O Art Déco no Brasil marcou a arquitetura nacional. Como no exterior, aqui também era visto como expressão de modernidade e um estilo perfeito para construções e arranha-céus que subiam em cidades cada vez mais aceleradas e poderosas.

A diferença ficou na agregação de suas características a outros estilos que também exploravam e pensavam sobre futuro e progresso e informaram, de forma geral, o modernismo brasileiro.

Entre os nomes proeminentes quando se fala sobre esse estilo de arte no Brasil estão: Flávio de Carvalho e Elisiário Bahiana (principalmente na arquitetura), John Graz, Lasar Segall e Cassio da Rocha Mattos (no mobiliário e design de interiores) e Victor Brecheret (nas artes).

art-deco-monumento-das-bandeiras-sao-paulo-loft
O Monumento às Bandeiras, estátua de Victor Brecheret, foi feito em estilo Art Déco

Exemplos de Art Déco no Brasil incluem:

  • Edifício Altino Arantes, ou Prédio do Banespa (São Paulo)
  • Antiga Estação Ferroviária de Goiânia (Goiânia)
  • Viaduto do Chá (São Paulo)
  • Banco de São Paulo (São Paulo)
  • Elevador Lacerda (Salvador)
  • Estádio do Pacaembu (São Paulo
  • Estação Central do Brasil (Rio de Janeiro)
art-deco-viaduto-cha-sao-paulo-loft
O Viaduto do Chá, em São Paulo, é exemplo do estilo Art Déco no Brasil
art-deco-estadio-pacaembu-sao-paulo-loft
A fachada do Estádio do Pacaembu, com letras bem definidas e espaçadas, uso de colunas e geometria, também representa o estilo Art Déco
art-deco-estacao-ferroviaria-goiania-loft
Estação Ferroviária de Goiânia
art-deco-cinema-pirenopolis-loft
Cinema na pequena cidade de Pirenópolis, Goiás
art-deco-banco-sao-paulo-loft
Detalhe da fachada Art Déco do Banco de São Paulo, no centro histórico
art-deco-estacao-central-rio-de-janeiro-loft
Estilo Art Déco na Estação Central do Brasil, no Rio de Janeiro
art-deco-elevador-lacerda-salvador-loft
O Elevador Lacerda, em Salvador, foi o primeiro elevador urbano do mundo e de marcante estilo Art Déco

Onde encontrar prédios Art Déco em São Paulo?

Em regiões habitadas há décadas em São Paulo, como Higienópolis, Santa Cecília, Vila Buarque e centro histórico, há diversos edifícios residenciais que possuem características inspiradas no Art Déco, principalmente em seus cantos curvados e nas fachadas, com letras retas e espaçadas.

Recentemente, em julho de 2018, a Prefeitura da cidade tombou quatro edifícios desse estilo de arte devido ao seu valor histórico: Edifício Lunice, Prédio da Rua Rosa e Silva, Edifício Maria Teresa e Edifício Tupã.

Aliás, se você gosta desse estilo artístico em um prédio e está em busca de um novo apartamento, entre em contato com a Loft e pergunte sobre as possibilidades de apartamentos à venda !