Corretor de imóveis: tudo sobre essa profissão

cropped-corretor-de-imoveis-corretora-loft-1.jpg
Tempo de leitura: 9 minutos

Entenda como se tornar corretor de imóveis em 3 passos e conheça habilidades, boas práticas e dia a dia de uma corretora de alto padrão.

O corretor de imóveis, também chamado de corretor imobiliário, é peça-chave quando se trata de transações imobiliárias. É ele que está apto a intermediar processos de compra, venda, locação, permuta e administração, tanto em áreas urbanas quanto rurais.

No Brasil, a profissão se regulamentou em 1962 e novamente em 1978, quando se criou um caminho claro para quem quer atuar nela: após uma especialização técnica e um estágio, é possível se credenciar junto ao Creci (Conselho Regional de Corretores de Imóveis) do estado. Com a carteirinha em mãos, a pessoa está apta a atuar como corretora de maneira autônoma ou em uma imobiliária.

Por permitir que pessoas de qualquer caminho e idade tornem-se corretoras no médio prazo (entre um e três anos), a profissão de corretor de imóveis é vista por muitos como uma oportunidade de se reinventar ou dar uma guinada na carreira.  

Além disso, há vantagens inerentes – horário flexível, remuneração variável através de comissões, independência, rotina dinâmica – que a tornam muito atraente. Não à toa, é um meio competitivo. Segundo a estimativa mais recente da Fenaci (Federação Nacional dos Corretores de Imóveis), feita em 2017, há 350 mil corretores de imóveis no país.

Adelino-Alves-corretor-de-imoveis-loft
Profissão das antigas: em 1903, o português Adelino Alves criou sua imobiliária homônima, hoje nas mãos da quarta geração da família. Foi a primeira oficializada no estado de São Paulo, em 1962. (Foto: Adelino Alves Imóveis/Reprodução)

O que faz um corretor de imóveis?

Este um bom momento para esclarecer que faz um corretor de imóveis, o que é ditado pela lei vigente nº 6.530, de 12 de maio de 1978:

“Compete ao Corretor de Imóveis exercer a intermediação na compra, venda, permuta e locação de imóveis, podendo, ainda, opinar quanto à comercialização imobiliária.”

O Cofeci (Conselho Federal de Corretores de Imóveis) também disponibiliza o código de ética da classe, disponível neste link.

Como ser corretor de imóveis?

Justamente por ter uma lei específica para regulamentá-la, essa profissão tem um caminho de entrada bem delineado, o que torna a explicação de como ser corretor de imóveis bastante direta.  

Como tirar o Creci-SP e em outros estados?

Para que você possa se situar, explicamos em 3 passos como tirar o Creci-SP. Lembre-se que não importa em que estado você pretende atuar: é preciso credenciar-se junto ao Creci local.

Passo 1: torne-se técnico em transação imobiliária

Para começar, é preciso ter uma formação técnica em transação imobiliária. Não há pré-requisitos para ter esse título, que pode ser obtido através de um curso de corretor de imóveis. Hoje, há três tipos:

1. Técnico em Transação Imobiliária

Este é um curso técnico e que tem duração aproximada de um ano. É possível fazê-lo presencialmente ou online. Abaixo estão algumas organizações que o oferecem:

2. Tecnólogo em Gestão Imobiliária

Este é um curso superior e que dura cerca de dois anos. Ele é oferecido pela Universidade Estácio de Sá (Unesa).

3. Bacharel em Ciências Imobiliárias

Trata-se de um curso de graduação completo, que dura cerca de quatro anos. Atualmente, é oferecido pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA).

(E o curso de corretor de imóveis grátis do Sebrae?)

O curso de corretor de imóveis grátis do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) não oferece o título de técnico em transação imobiliária que a legislação exige. Por outro lado, traz, sem custos, muitas opções para quem quer aprimorar seus conhecimentos de gestão e empreendedorismo. Confira a lista completa de aulas aqui.

Passo 2: faça um estágio em negócios imobiliários

Quando o curso exigir estágio obrigatório para a conclusão do curso, é preciso se dirigir ao Creci do estado e requisitá-lo. No Creci-SP, a inscrição pode começar online (com o preenchimento de formulários e pagamento de taxas) e depois protocolada na Delegacia Regional ou Seccional mais próxima.

Assim, você já vai começar a entender, na prática, o que significa trabalhar como corretor em negócios imobiliários.

Passo 3: inscreva-se no Creci de seu estado

Após a conclusão da formação, você já pode regularizar sua situação e inscrever-se definitivamente no Creci, que leva entre 30 e 60 dias para lhe entregar seu número. É preciso ter os seguintes documentos:

  • RG
  • CPF
  • Fotos em 3×4
  • Título de eleitor e comprovante da última eleição
  • Certificado de reservista (para homens)
  • Comprovante de residência
  • Diploma de técnico em transação imobiliária
  • Comprovante de conclusão do ensino médio
  • Comprovante de pagamento das taxas do Creci

Pronto! Você agora é oficialmente um corretor de imóveis ou uma corretora de imóveis no Brasil.

Quanto ganha um corretor de imóveis

Segundo a Pesquisa Salarial da Catho Online, um corretor de imóveis no Brasil tem salário médio de R$ 3.251,63.

Vale lembrar, no entanto, que quanto ganha um corretor de imóveis varia de acordo com o recebimento da corretagem, ou seja, da porcentagem recebida por cada compra ou venda bem-sucedida. (Na Loft, corretores parceiros que venderem apartamentos de nosso portfólio ganham entre 6% e 7% do valor. Cadastre-se gratuitamente e comece a representar nossos imóveis!)

Leia também: Entenda por que a Loft ajuda corretores a aumentar seu faturamento mensal

Até recentemente, o Creci (Conselho Regional de Corretores de Imóveis) de cada estado tinha um tabelamento com honorários de transações imobiliárias. Em março de 2018, no entanto, o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) proibiu a prática.

Atualmente, as taxas de corretagem são livres, variam entre 5% e 12% e incidem sobre compras, vendas, aluguéis e administração de prédios em áreas urbanas ou rurais. As tabelas continuam sendo um ponto de partida importante para entender a precificação de seu mercado.

Dia a dia do corretor de imóveis

Eliana del Mar se tornou corretora de imóveis depois de uma longa carreira em outras áreas, de psicologia a relações institucionais. Há uma década no ramo, ela começou depois dos 50, em uma reinvenção profissional.

“Foi uma surpresa da qual acabei gostando muito”, conta. “Tem coisas fantásticas, como administrar seu tempo, e você consegue ter ganhos maiores do que com uma renda fixa.”

Assim que se decidiu, Eliana buscou informações na internet e fez um curso presencial para se preparar para a prova do Creci-SP e tirar sua carteira. Em seguida, começou trabalhando com imóveis no Morumbi e Real Park nas imobiliárias M2 e Maber.

Quando a amiga Márcia Amaral fundou a JM Fox, há nove anos, Eliana foi junto. Até hoje por lá, atua principalmente nos Jardins, na Vila Nova Conceição e no Itaim Bibi, onde mora há 35 anos.

Seu dia a dia é diversificado e pode ser bem corrido, especialmente quando as coisas andam bem no mercado (que, depois da crise, vem vivendo uma retomada). “Você está sempre em contato com diversas visões de mundo e realidades, e participa um pouquinho da história de vida de cada um”, diz ela.

Em uma semana comum de junho, ela atendeu três clientes novos e conduziu três propostas em andamento. Em um único dia, chegou a visitar seis apartamentos, e se preparava para repetir a maratona no dia seguinte.

Nesse caso, o cliente tinha pressa – “ele vendeu seu apartamento para a Loft e agora está buscando outro”, explica –, mas o processo leva, em média, seis meses.

O trabalho está sempre ao alcance dos dedos. “No meu celular, faço tudo: acesso o sistema da imobiliária, conversa com o cliente – que praticamente só gosta de WhatsApp –, respondo e-mail, faço fotos com o celular. Tivemos que aprender!”

Para enfrentar a concorrência, Eliana diz que o caminho é fidelizar o cliente sem pensar no tempo que o processo vai levar. Mesmo que ele nem chegue perto de assinar um contrato, é papel do bom corretor manter-se disposto a ajudá-lo. “Tem clientes que são muito rápidos e outros que estão há três anos comigo”, diz.

Mercado em alta, mercado em baixa?

Eliana é a primeira a avisar que nem tudo são flores, pelo menos não o tempo todo. A recessão brasileira teve fortes reflexos no mercado imobiliário, que só agora começa a se recuperar. “Por isso é importante se programar em termos financeiros: você passa períodos de crise muito ruins e as pessoas não compram [imóveis].”

Na retomada dos últimos meses, ela já vê sinais inclusive de um novo tipo de clientela: jovens que até pouco preferiam apenas alugar seus apartamentos. “Como a gente acaba sendo o último segmento impulsionado quando as coisas melhoram, isso já é um termômetro de que as coisas estão caminhando“, considera.

Como ser um bom corretor de imóveis

Para quem se pergunta como ser um bom corretor de imóveis, há diversos caminhos interessantes, que passam pelo desenvolvimento e fortalecimento de habilidades importantes a boas práticas no meio.

Elbio Fernandez Mera é vice-presidente de Intermediação Imobiliária e Marketing do Secovi-SP (Sindicato da Habitação de São Paulo) e começou no ramo aos 18 anos, no Uruguai. Chegou no Brasil seis anos depois e, depois de outros nove anos na Lopes, abriu sua própria imobiliária, a Fernandez Mera.  

Apesar de ter quase quatro décadas no business, ele é taxativo: as circunstâncias mudaram, mas o bom corretor, não. “Ele faz sempre a mesma coisa: tem dedicação integral e faz um excelente atendimento das demandas do cliente. Se o corretor fizer isso, terá sucesso sempre. É muito simples.”

E, mesmo sendo este um mercado sujeito a crises, Elbio adiciona que uma coisa se mantém estável: a vontade de ter uma casa. “Trabalhamos com o produto número 1 do mercado, que é o sonho de todos“, fala. Em tempos de vacas magras, isso segue verdade – e cabe aos bons corretores surfar em todo tipo de água.

Fernandez-Mera-corretor-de-imoveis-loft

O corretor Elbio Fernandez Mera, fundador da Fernandez Mera e hoje vice-presidente de Intermediação Imobiliária e Marketing do Secovi-SP (Foto: Secovi-SP/Divulgação)

Boas práticas para um corretor de imóveis

“Você sabia que um cliente tem, em média, cinco corretores?”, questiona Elbio. A concorrência, como se vê, é ferrenha – e é aí que as boas práticas para um corretor de imóvel podem fazer toda a diferente.

Para Eliana, que comemora a tecnologia e vive no WhatsApp, é fundamental encontrar o potencial cliente também na vida real. “Você vai conseguir estabelecer um vínculo. Se não, fica só no vai e volta de mandar link de imóvel”, fala. “Ao sair [do online], você vai realmente conhecer o que a pessoa quer e ela vai confiar mais em você. Isso é uma das coisas mais importantes.”

Outra boa prática é ajudar sempre, mesmo que pareça algo sem retorno imediato. Isso é uma maneira de fidelizar o cliente, o que torna mais provável ser recomendado para outros – e até fechar outros negócios. “Ele pode se mudar para outro apartamento ou querer uma casa de fim semana, por exemplo.”

Para Elbio, também é positivo selecionar um ramo para se aprofundar. “Você pode trabalhar em  imóveis de terceiro, em administração de propriedades, empresas que vendem produtos em lançamento”, começa. “Mas não vai conseguir ser bom em todas as coisas ao mesmo tempo. Vai ter que escolher uma conforme seus talentos, suas habilidades, sua experiência e sua capacidade de se relacionar e interagir com as pessoas.”

Além disso, é útil ir além do básico quando se trata de contratos, burocracias, crédito imobiliário e pontos altos de uma dada região. Assim, o corretor vai tornar realmente imprescindível ao processo.

“Ele precisa olhar para o cliente como alguém de muita importância e muito valor. E, para fazer isso bem, tem que estar bem preparado”, explica Elbio. “O potencial vendedor ou comprador tem acesso hoje à uma massa enorme de informações – e você tem que estar melhor preparado que ele. O corretor tem que conhecer mais, sempre mais. “

Acima de tudo, é preciso ter honestidade. “E isso cabe para qualquer profissão”, destaca Eliana.

Leia também: Como criar scripts ideais para vender imóveis de alto valor agregado

6 habilidades essenciais para trabalhar com negócios imobiliário

O trabalho de corretor de imóveis é intrinsicamente ligado às relações interpessoais. Por isso, boa parte das habilidades essenciais é ligada à comunicação – e a boa notícia é que todas podem ser cultivadas.

  • Paciência (especialmente na hora de captar novos imóveis)
  • Jogo de cintura (para enfrentar situações diversas e adversas)
  • Conhecimento (sobre a região, o imóvel, o crédito imobiliário e tudo que for útil em uma conversa com o cliente)
  • Poder de síntese (saiba que perguntas fazer para entender o perfil e as necessidades do cliente)
  • Generosidade (ajude sempre que puder, todo cliente que puder)
  • Persistência (a regra de Elbio Fernandez Mera para não se tornar inconveniente? Se você é útil, você não é chato)

Leia também: Aumente seu poder de persuasão e venda com essas 7 orientações

Como ser um bom corretor de imóveis autônomo

Trabalhar por conta própria é algo muito possível nessa profissão. Como ser um bom corretor de imóveis autônomo depende, principalmente, de você mesmo.

Visto que não há departamentos (jurídico, administrativo, de recursos humanos) para organizar as informações e criar fluxos, esta é a lição de casa: entenda como integrar e mensurar seu trabalho da melhor maneira.  

Organize-se com planilhas, modelos de documentos, calendários e possivelmente softwares especializados de CRM (Customer Relationship Manager) para não se perder nos detalhes. Explore as oportunidades que a tecnologia oferece, como apps para aumentar a produtividade, como o Tomato Timer, e sites para gerir processos, como o Asana.

Claro, de nada adianta ter tudo pronto e ninguém procurando seus serviços. Portanto, invista em uma boa presença online e no seu próprio marketing. Crie um site, páginas em redes sociais e feche parcerias onde puder – inclusive com a Loft, que também trabalha com corretores autônomos.

Para se tornar um parceiro da Loft, clique aqui e cadastre-se gratuitamente!

Leia também: Por que a Loft ajuda corretores a aumentar seu faturamento mensal?

Conheça a parceria entre a Loft e o corretor de imóveis

A Loft surgiu para revolucionar o mercado imobiliário do Brasil, e o corretor de imóveis é peça-chave para nosso negócio. Seja você corretor autônomo ou corretor de imobiliária, é possível trabalhar conosco nas duas pontas: nos apresentando apartamentos para aquisição e vendendo aqueles que já estão em nosso portfólio.

Confira as principais vantagens que a Loft oferece e cadastre-se gratuitamente hoje!

  • Fim do porta a porta: centralização do trabalho de vendas em um só canal
  • Entre 6% e 7% comissão pela venda de imóveis da Loft
  • Time jurídico disponível para buscar e redigir os documentos necessários para compra e venda
  • Política de vínculo entre cliente e corretor que garante recebimento da corretagem
  • Portfólio constantemente atualizado com imóveis de alto padrão nos bairros mais nobres de SP
  • Dossiês detalhados sobre cada imóvel, com plantas, projetos arquitetônicos, fotos, perspectivas e acabamentos inclusos
  • Agendamento de visitas rápido e equipe acessível online e por telefone
  • Pagamento à vista na aquisição de um imóvel por parte da Loft

Leia aqui nossa política completa para corretores.