8 estratégias de e-mail marketing para conseguir mais clientes

e-mail-marketing
Tempo de leitura: 6 minutos

Entenda o que é e-mail marketing, como pode ser útil para corretores,  o que fazer e o que evitar em suas mensagens.

Cerca de 269 bilhões de e-mails são enviados todos os dias. A estimativa é que esse número suba ainda mais, para 320 bilhões de e-mails diários, até 2021. Bastante coisa. E existem razões para esse número tão elevado. Quem quer se destacar nesse mar de mensagens precisa de uma estratégia acertada de e-mail marketing.

O que é e-mail marketing?

Como o nome entrega, é uma estratégia de marketing digital que utiliza e-mails para aumentar as vendas. 

É bom esclarecer desde o começo: o simples ato de enviar uma mensagem não é e-mail marketing. Como outras estratégias de marketing digital, o e-mail marketing envolve o uso de ferramentas tecnológicas específicas que permitem uma gestão mais eficiente da base, segmentação de públicos e diversos tipos de teste. Mas vamos chegar lá! 

“É preciso que sua mensagem tenha sido disparada para uma base pré-determinada de pessoas”, resume Renato Costa, consultor de marketing digital. Essa base, por sua vez, foi prospectada (prospect é jargão comum do marketing digital) por meio de páginas específicas criadas por você (como landing pages ou outros formulários) que pediam que alguém cedesse seu contato para receber mensagens. 

Nessa fase de captar contatos do e-mail marketing, é costumeiro oferecer algo atraente para o usuário. É frequente que seja acesso um material especial gratuito, como um e-book ou um vídeo, ou inscrição em uma newsletter

Em seguida, esse contato entrará em uma régua de relacionamento: começa ao receber um e-book e passa a receber uma série de conteúdos relacionados àquele tema, sempre com CTAs, ou calls to action, que o chamem para alguma ação. 

Para conseguir segmentar seu público da melhor forma, o ideal é obter algumas informações junto com o endereço de e-mail, como nome, cidade em que mora, interesses ou fase da jornada de compra. Isso será bastante útil depois.

No vídeo acima, entenda mais sobre o que é e-mail marketing

Quais são as ferramentas do e-mail marketing?

As principais são as ferramentas de automação. Tratam-se de plataformas de marketing digital onde é possível montar as páginas para captar contatos, guardar e segmentar a base, escrever e disparar as mensagens, fazer uma série de testes e acompanhar indicadores.

Entre elas há as brasileiras RD Station e LeadLovers e a americana Mailchimp. Por ter um plano gratuito, essa última é a mais indicada para começar, desde que você esteja familiarizado com inglês.

Como boas imagens são um aspecto importante do marketing digital, é bom se familiarizar também com o Canva, site gratuito para criar diversos tipos de design.

Leia também: Como ter uma renda extra sendo corretor: saiba como neste artigo

Qual a função do e-mail marketing

A principal função do e-mail marketing, como de outras tecnologias do mercado imobiliário, é complementar seu fluxo de vendas de alguma forma.

No caso de um corretor de imóveis, ele pode servir para ampliar a base de prospects (alguém interessado no seu produto/serviço). Ao longo da jornada digital que você traçou, esse prospect vai amadurecendo e se tornando um lead (potencial cliente).

Por isso, o e-mail marketing é ligado ao funil de vendas, que possui quatro etapas a partir do topo:

  1. Visitante (por exemplo: pensa em um dia comprar um imóvel)
  2. Lead (sabe que quer comprar um imóvel em breve)
  3. Oportunidade (já tem bastante claro qual tipo de imóvel quer)
  4. Cliente (entra em contato para marcar visitas e eventualmente fechar negócio)

Leia também: Spin Selling: saiba tudo sobre a técnica que ajuda a vender mais

Como corretores podem usar e-mail marketing

Renato explica que é preciso, primeiro, entender o público com que se está trabalhando. No universo do mercado imobiliário, costumam ser pessoas interessadas em compra e venda de imóveis, certo? 

Dentro desse recorte, elas podem ser separadas em diversos grupos, cada um com seus próprios interesses e estratégias. Alguns exemplos de público-alvo: pessoas que já têm um imóvel e buscam um segundo como forma de investimento; que querem aprender sobre financiamento imobiliários; ou que buscam imóveis de até R$ 800 mil reais. 

“Quanto mais informação você tiver sobre a base, mais fácil será fazer sua gestão. Isso depende da forma como você montou a campanha”, continua Renato. É assim, com uma boa segmentação, que você aumenta suas chances de sucesso. “Não se pode mandar o mesmo e-mail sobre financiamento imobiliário para a pessoa que quer pagar à vista”, exemplifica ele. 


Lembre-se que uma boa página de captura de e-mails já permite entender quem são as pessoas, visto que é possível incluir as perguntas essenciais no formulário de inscrição. 

O segundo passo é entender em qual parte da jornada de venda a pessoa está, visto que as dúvidas são diferentes dependendo do momento. Afinal, lidar com cliente indeciso é diferente de tirar dúvidas finais sobre planejamento de reformas.

E se você tem uma base mas não sabe nada sobre ela, pode investir em testes. Depois do primeiro e-mail de boas vindas, experimente enviar outro, mais generalista e de amplo apelo. Dentro dele, inclua links específicos para entender quem são os leitores – como para um formulário sobre o tipo de imóvel buscado. 

8 estratégias de e-mail marketing para se relacionar com potenciais clientes

Crie uma régua de relacionamento

A régua de relacionamento é baseada na etapa do funil de vendas em que seu público alvo se encontra. Ou seja, se ele está no comecinho da jornada (o topo do funil), os conceitos também precisam ser introdutórios. Se ele já está mais avançado, os conceitos também devem avançar.

Imagine que você tem uma base com interessados em comprar seu primeiro apartamento. Uma régua possível seria:

  • Primeira mensagem: as dúvidas mais comuns na hora de escolher um imóvel
  • Segunda mensagem: quais são as possibilidades de financiamento imobiliário (assim, o leitor já entende qual imóvel cabe no seu bolso)
  • Terceira mensagem: dicas para fazer boas visitas e como avaliar os imóveis (agora que ele sabe que a compra é factível, se sente seguro para para fazer visitas)
  • Quarta mensagem: destaques do portfólio de apartamentos à venda (e assim converter o leitor em potencial negócio!)

Só envie e-mail com consentimento do prospect

“Isso é muito importante: é necessário perguntar ao cliente se ele deseja receber a mensagem, o que tecnicamente chamamos de opt-in”, lembra Renato. O opt-in é aquela caixinha em que se lê “desejo receber e-mails” e onde o usuário precisa clicar. 

Isso é especialmente sério dentro do contexto da nova Lei Geral de Proteção de Dados brasileira, que deve entrar em vigor até o fim de 2021. Sem esse consentimento, você ainda corre o risco de ser considerado spam, seja pelo usuário ou pelo servidor do e-mail.

Faça conteúdos relevantes

Ponha-se no lugar de um leitor daquele público-alvo. Se você fosse aquela pessoa, com o nível de informação sobre o tema que ela possui, que abrisse seu e-mail em uma caixa de mensagens lotada e dedicasse seu tempo à ela… Seria útil? Ela aprenderia algo relevante ou interessante? Ajudaria a solucionar seu problema? Se sim, pode enviar. Se não, repense. 

Envie ofertas personalizadas

Se há um segmento que você sabe que se interessa por parques e boas áreas de lazer para crianças, por exemplo, pode criar um e-mail sobre os bairros com as melhores áreas verdes da cidade só para ele. Aproveite os interesses de cada grupo!

Faça uma curadoria de notícias do segmento imobiliário

Notícias sobre indicadores, tendências e novidades da área podem ser a base de uma newsletter interessante para diversos tipos de público.

Crie um calendário de envios sazonais

Aproveite ganchos de sazonalidade, como festas e datas comemorativas, para criar e-mails específicos que façam as pessoas se sentirem lembradas. Por exemplo: perto do Natal, deseje boas festas à sua base. 

Use uma ferramenta de automação

Para ter acesso a todas as oportunidades, é preciso ter landing pages, conduzir testes, fazer segmentações e acompanhar indicadores como taxa de abertura da mensagem e taxa de saída da base. Isso só é possível através das ferramentas de automação, por onde acontece o disparo de e-mail marketing.

Humanize suas mensagens

Um dos grandes problemas do e-mail marketing é a falta de humanização e o foco excessivo e robótico em vendas. “As pessoas querem saber que estão falando com uma pessoa de verdade”, fala Renato. Por isso, não se esqueça de tornar suas mensagens humanas.

O que não fazer no e-mail marketing

Confira 10 erros comuns de e-mail marketing abaixo: 

  • Não coloque um assunto longo demais
  • Não esqueça de incluir um e-mail válido para quem quiser responder sua mensagem
  • Não envie e-mails que não tenham valor agregado: se for só para fazer contato, não mande
  • Não crie e-mails que focam demais na venda: busque conversar com seu cliente
  • Não ignore o preview da mensagem: sempre clique na prévia antes de enviar!
  • Não se esqueça de incluir um bom CTA (call to action) para que o leitor tome ação
  • Não pense sua mensagem só para quem está no computador: a maioria das pessoas vai lê-lo em seu celular
  • Não deixe passar erros de português
  • Não crie incoerências entre suas mensagens e ofertas
  • Não compre bases de e-mails no mercado, construa sua própria

Quer aprender mais? Conheça a Loft Pro, a plataforma de capacitação online com cursos gratuitos para corretores!