Quais são os gastos extras na hora de comprar um imóvel?

gastos-extras-compra-de-imovel
Tempo de leitura: 3 minutos

Preparamos um roteiro com os custos mais comuns que você pode não saber que existem na hora de adquirir um novo apartamento; veja como se planejar financeiramente para este momento

Na hora de adquirir um apartamento novo, precisamos ter em mente que nossos gastos não serão apenas o valor pelo qual ele está anunciado. É preciso se planejar pensando que você deverá arcar com custos de comprar um imóvel, com valores de mudança e de reforma e também com custos recorrentes.

Neste artigo, vamos mostrar como se preparar para estes gastos ao investir em um imóvel. Os custos poderão ser maiores ou menores conforme seu desejo de fazer um upgrade no apartamento, por exemplo. Os valores podem ser mais baratos caso você opte apenas por modernizar a parte hidráulica e elétrica, e mais caros se você desejar fazer uma reforma completa em todos os ambientes do imóvel.

A Loft ajuda os compradores na hora de planejar a compra do imóvel. Se deseja financiar a compra do seu apartamento, não deixe de conferir nosso simulador de parcelas. A ferramenta permite que você faça um cadastro para receber uma proposta de financiamento imobiliário personalizada.

Valor da entrada do imóvel

O primeiro grande valor entre os custos de comprar um imóvel é o valor da entrada. Se você optar por um financiamento imobiliário, saiba que os bancos costumam cobrir até 80% do valor do imóvel. Ou seja, você precisará arcar com um valor de entrada de no mínimo 20% do total.

Saiba mais sobre as principais despesas que você terá ao financiar a casa própria

Custo Efetivo: total do financiamento e correção sobre a parcela

O custo efetivo de um imóvel financiado não é o valor pelo qual ele será vendido. Isso porque você vai pagar juros ao pegar este empréstimo. A boa notícia é que os juros no Brasil estão baixos.

Uma das modalidades de financiamento mais escolhida por quem vai comprar um apartamento é o Sistema de Amortização Constante (SAC). Este método funciona da seguinte forma: as parcelas que você vai pagar vão ficando mais baratas ano após ano.

O Custo Efetivo do financiamento inclui o pagamento de taxas e de outros valores, como a taxa de juros, seguros obrigatórios (do imóvel e para morte e invalidez permanente), taxa de administração, taxa referencial (pode haver ou não) e taxa de vistoria.

Antes de liberar o financiamento, o banco vai cobrar uma taxa para vistoriar a propriedade que você deseja comprar. O custo de vistoria depende da instituição junto a qual você vai pedir o empréstimo. Segundo o portal UOL, o valor fica, em média, em R$ 2.500.

O valor do Custo Efetivo vai depender, portanto, das condições oferecidas pelo banco ou pela instituição financeira. Para se planejar da melhor forma, veja quais são as regras da instituição antes de pedir o empréstimo. 

Comissão do corretor de imóveis

A comissão do corretor não tem um valor fixo pré-determinado, pois, em 2018, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) proibiu o tabelamento desta taxa de comissão. O Conselho Regional de Corretores de Imóveis, o Creci, disponibiliza tabelas com valores de referência para os honorários dos corretores.

Em São Paulo, a tabela referencial  define os seguintes valores:

1) Imóveis urbanos: 6% a 8% para o corretor;

2) Imóveis rurais: 8% a 10% para o corretor;

3) Imóveis industriais: 6% a 8% para o corretor;

4) Venda judicial: 5% para o corretor.

ITBI, escritura pública e Registro do Imóvel

Pagar pelo Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis (ITBI), pelo Registro do Imóvel e pela escritura pública faz parte dos custos de aquisição do bem. O ITBI é cobrado pelas prefeituras e varia conforme a alíquota de cada município.

Para você ter uma estimativa do quanto você vai gastar neste tópico, calcule 5% do valor do imóvel. Este valor é um bom parâmetro da quantia que você deverá arcar após fechar a compra.

Gastos com manutenção, despesas correntes e reforma

Após comprar o imóvel, não esqueça que é preciso mantê-lo em bom estado. Entram aqui os gastos com manutenção, ou seja, as despesas correntes. Os custos obrigatórios mais comuns são o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) e o condomínio (para quem optar por um apartamento).

Há ainda aqueles opcionais como seguros residenciais que cobrem problemas elétricos, hidráulicos e casos de incêndio. Eles podem ser pagos anualmente ou a cada mês.

Caso deseje reformar o apartamento antes de morar, é recomendado adicionar o orçamento da obra aos custos de comprar um imóvel. Pensando nisso, a Loft criou um departamento de reformas que atende a todos que pensam em fazer mudanças em um imóvel. 

O cliente participa de todas as etapas do projeto, que será avaliado por ele via ferramentas 3D para que possa ver o resultado antes mesmo da reforma começar. Com o projeto, a Loft se encarrega da obra e você tem garantia de um ano após a conclusão.

Saiba mais sobre a reforma da Loft e conheça nossos apartamentos à venda em São Paulo e no Rio de Janeiro. E para ficar sempre por dentro das principais notícias sobre o mercado imobiliário, acompanhe nosso blog da Loft!