pegar-emprestimo-quitar-financiamento-imobiliario

Vale a pena pegar empréstimo para quitar um financiamento imobiliário?

10 MINUTOS DE LEITURA

Você tem um financiamento de imóvel que se arrasta por anos, compromete uma parte relevante do seu salário e do qual você quer se ver livre o quanto antes? É possível que já tenha pensado: será que vale a pena pegar um empréstimo para quitar o financiamento imobiliário

Antes de tomar qualquer decisão, é preciso refletir sobre as condições dessa segunda operação e se há alternativas para você quitar essa dívida de outra forma. Por isso, vamos explicar neste texto se vale a pena pedir dinheiro emprestado ao banco para quitar seu financiamento de vez – ou se essa é uma escolha equivocada.

Neste artigo, você vai encontrar:

  • Afinal, vale a pena pegar empréstimo para quitar um financiamento?
  • Qual é a diferença entre empréstimo e financiamento?
  • Como quitar um financiamento que se arrasta?
  • Empréstimo em banco: quando pode ser um bom recurso para quitar dívidas
  • Vale a pena pegar um empréstimo para investir?
  • A Loft Cred ajuda você a contrair crédito imobiliário sem custos

Afinal, vale a pena pegar empréstimo para quitar um financiamento?

Se você está cogitando conseguir dinheiro com o banco para quitar seu saldo devedor, saiba que não vale a pena pegar um novo empréstimo para quitar um financiamento. A explicação para isso é simples: um financiamento imobiliário tem taxas de juros (e Custo Efetivo Total) bem mais baixas que empréstimos pessoais. 

Por isso, contrair uma nova dívida seria mais caro que manter a sua rotina de pagamentos para a operação de crédito imobiliário. Vamos comparar, por exemplo, com os juros de um empréstimo consignado, que costuma ser uma das modalidades mais baratas.

A média de juros de um financiamento imobiliário com taxas reguladas chegou a 6,96% ao ano em janeiro de 2021 (para pessoas físicas). Já os juros médios para empréstimos consignados destinados a trabalhadores do setor público fechou o mesmo mês com média de 16,14% ao ano, segundo o Banco Central.

O Crédito com Garantia de Imóvel (CGI) é uma espécie de refinanciamento de uma propriedade com até 30% do saldo devedor em aberto. Ele costuma ser visto como uma boa opção de crédito com recursos livres e tem taxas bastante atrativas

Ainda assim, os juros e o IPCA como fator de correção representam uma taxa de mais ou menos 16% ao ano, caso você contraia o crédito com a ajuda da Loft Cred. Um índice bem mais caro que o dos financiamentos. 

O crédito pessoal também costuma ter prazo de pagamento menor, o que pode comprometer sua renda mensal até mais que a parcela do financiamento. Portanto, vale mais a pena você tentar se livrar de vez da sua dívida imobiliária de outras formas.

Qual é a diferença entre empréstimo e financiamento?

Muita gente se confunde e acredita que financiamento é o mesmo que empréstimo. Um empréstimo de banco funciona da seguinte forma: você recebe um valor acordado com a instituição financeira para usar de acordo com seus próprios planos

Esse dinheiro cai na sua conta, e ele tem destinação livre. É assim com o crédito pessoal ou empréstimos consignados. Eles podem ser usados para investir em negócios, pagar festas, viagens e muitos outros. 

A diferença entre empréstimo e financiamento é que a segunda modalidade não oferece dinheiro na mão do devedor. Os recursos do banco são transferidos diretamente para viabilizar uma compra, seja de um bem móvel (como um carro) ou imóvel (uma casa, por exemplo). 

Empréstimo e financiamento: Serasa explica quais são as diferenças entre eles

A apropriação dos juros sobre o empréstimo ou financiamento ocorre de forma semelhante: um percentual incide sobre o saldo devedor e é incluído nas parcelas mensais que você pagará ao banco. Normalmente os juros nos financiamentos são menores que em empréstimos. Em ambos, é preciso que o banco submeta o cliente a uma análise de crédito antes de assinar o contrato. 

Como quitar um financiamento que se arrasta?

Se não é uma boa ideia contratar um novo empréstimo para pagar dívidas do seu seu imóvel: é possível quitar um financiamento antecipadamente de várias formas. Elencamos aqui algumas delas:

Use o FGTS: 

Você pode recorrer aos recursos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), se tiver saldo, para compor até 80% do valor de cada prestação por um período de 12 meses (que pode ser renovado a cada ano). 

É possível também quitar ou amortizar o saldo devedor, se você tiver com os pagamentos das parcelas em dia. Esse recurso vale para financiamentos feitos no âmbito do SFH (Sistema Financeiro de Habitação). 

Faça um planejamento de gastos

Cortando despesas desnecessárias, você pode juntar dinheiro para amortizar uma parte do seu financiamento. Com isso, consegue quitá-lo mais rápido. Procure fazer uma tabela, identificar os gastos supérfluos da sua família e eliminá-los. 

Arrume renda extra

Você pode conseguir recursos extraordinários que vão ajudá-lo a quitar a dívida. Pode ser um trabalho freelancer, horas extras no trabalho ou o próprio dinheiro do 13º salário. Vender um bem mais caro, como um carro, também pode ser uma alternativa. 

Recorrer à portabilidade

A portabilidade permite que você, ao migrar sua dívida para outra instituição bancária, reduza a taxa de juros do seu contrato. Juros mais baixos significam financiamentos mais baratos caso o Custo Efetivo Total também seja reduzido. Esse recurso pode ajudá-lo a pagar o financiamento imobiliário com mais facilidade, juntar dinheiro e quitar a dívida antes do que você conseguiria junto ao credor original. 

Para fazer a portabilidade, você precisa procurar um novo banco credor e analisar se a oferta de crédito dele é mesmo mais atrativa. Caso seja, a instituição que vai receber a dívida é responsável por comunicar tudo ao seu banco original – que pode fazer uma contraproposta e reduzir os juros do seu financiamento para não perder o cliente. 

Prepare-se apenas para custos adicionais com procedimentos cartoriais e, eventualmente, com uma nova avaliação do valor do imóvel. No entanto, a redução dos juros deve levar a uma economia expressiva nos custos da operação. 

Empréstimo em banco: quando ele pode ser um bom recurso para quitar dívidas

O crédito imobiliário para pessoa física normalmente têm juros mais baixos que os empréstimos bancários. Nesse caso, não costuma ser vantajoso contrair uma segunda dívida só para quitar a primeira. 

No entanto, um novo empréstimo em banco em uma modalidade mais vantajosa pode te salvar de uma dívida antiga e mais cara. O exemplo clássico é o do cheque especial. Os juros da modalidade são bem altos (bateram 119,59% ao ano em janeiro de 2021). Ao contrair Crédito com Garantia de Imóvel, com juros de 10,7% + IPCA ao ano, o custo da segunda operação será bem menor. 

Por isso, você pode usar o dinheiro recebido do banco para quitar completamente a primeira dívida e passar a pagar pelas prestações da segunda – que terão menos juros incidentes. No entanto, ao fazer mais de uma operação de crédito, tenha cuidado com o comprometimento de renda: os bancos normalmente aceitam que você empregue até 30% da sua renda mensal com parcelas de financiamentos ou empréstimos. 

Vale a pena pegar um empréstimo para investir?

Com o baixo rendimento das aplicações em renda fixa, o número de brasileiros investindo na bolsa dobrou no ano passado. De acordo com a B3, o número de contas cadastradas na bolsa de valores passou de 1,6 milhão em 2019 para 3,17 milhões em 2020. Os dados constam nesta reportagem da revista Exame. 

Diante dessa onda, muita gente se pergunta se vale a pena pegar um empréstimo para investir. Para saber a resposta, você precisa comparar o custo do seu empréstimo e o rendimento da aplicação escolhida. 

Se você optar pela renda fixa, vai perceber que essa escolha não compensa. Enquanto os juros do empréstimo consignado para funcionários públicos estava em um patamar de 16% ao ano em janeiro de 2021, o rendimento do CDI, considerado a taxa de referência para aplicações seguras do mercado, fechou 2020 em 2,75% ao ano. Ou seja, aplicações conservadoras não vão trazer esse retorno. 

Investindo em ações, tudo depende da sua própria habilidade em fazer render o dinheiro. No entanto, trata-se de uma estratégia muito arriscada, frequentemente marcada por altos e baixos.

Endividar-se para começar a investir em renda variável provavelmente não é uma boa ideia. O mais indicado seria constituir  uma reserva de emergência e uma margem de recursos que possam ser investidos sem grandes impactos na sua vida pessoal e financeira. 

A Loft Cred ajuda você a contrair crédito imobiliário sem custos

Se você quer quitar um financiamento imobiliário sem muita demora, a solução pode estar no primeiro passo: escolher uma linha de crédito com as melhores condições do mercado, que não vá impactar negativamente o seu bolso a longo prazo.

Se você fizer seu financiamento com a Loft Cred, esse objetivo fica mais fácil de ser alcançado. Somos uma assessoria de crédito que mantém parcerias com os principais bancos do país, e consegue reunir e colocar sobre a mesa todas as condições que eles estão dispostos a oferecer para a sua operação e para o seu perfil. Conheça a Loft Cred

Diante de todas as propostas de crédito, você será orientado com imparcialidade e de forma personalizada por especialistas em financiamentos. Eles conseguem indicar o que vale a pena ou não para a sua realidade a longo prazo, mas a palavra final é sempre sua

“A gente vai cotar (as propostas de) todos os bancos e entregar para o cliente a melhor situação dentro das políticas de cada instituição”, ressalta Roberta Oka, que integra o time especializado em financiamentos imobiliários da Loft Cred. 

Aceitas as condições, nossa equipe vai cuidar de todas as etapas da operação junto ao banco. Isso inclui a análise de crédito, o envio de documentação e preenchimento de formulários, a análise de aspectos jurídicos da transação, a avaliação do imóvel, a emissão da guia de impostos obrigatórios e a assinatura do contrato. 

Tudo isso é feito sem custos para você e sem a necessidade de sair de casa e ir a agências bancárias. Nossa assistência prossegue até a liberação dos recursos pelo banco, depois do registro do contrato em cartório. 

Para começar a financiar com mais conforto e com as menores taxas, simule suas prestações com a Loft Cred

Outros assuntos que podem lhe interessar

Assine nossa Newsletter
Assine nossa newsletter