Planejamento sucessório: entenda a importância para sua família!

planejamento-sucessorio-loft
Tempo de leitura: 4 minutos

Conheça diferentes ferramentas de planejamento sucessório, como holding familiar, testamento e doação em vida, e porque esse tema é relevante para você.

Herança não é um assunto fácil. Para quem tem patrimônio para distribuir, no entanto, é (eventualmente) inevitável. 

De forma geral, ter seus negócios legalmente bem organizados é uma maneira de tornar esse momento mais suportável e evitar brigas e conflitos entre herdeiros – que podem acontecer inclusive em vida. 

É disso que trata o planejamento sucessório, que, neste contexto, indica o planejamento de sucessão patrimonial e é abordado ao longo deste post.

O que é um planejamento sucessório?

O planejamento sucessório é um instrumento jurídico que permite que se transfira o patrimônio de um indivíduo depois que ele falece. 

O famoso testamento é uma ferramenta de planejamento sucessório. Há diversos outros, como holding familiar e doação em vida, que serão apresentados adiante. Desde que se cumpra o que diz a legislação brasileira a respeito de heranças, é possível inclusive combinar diversas ferramentas

Por que o planejamento sucessório é importante para o futuro da sua família?

“É um tema que as famílias deixam de lado porque é difícil pensar na morte. Não temos a cultura de fazer o planejamento sucessório e a transmissão dos bens e do patrimônio para as próximas gerações”, explicou Rodrigo Assumpção, especialista em planejamento financeiro @Planejar, em conversa com o jornal Estadão. “Mas não fazer nada é pior opção.”

No vídeo acima, o jornal Estadão conversa com um especialista sobre planejamento sucessório

Ou seja, tomar as rédeas de seu planejamento sucessório não é coisa que se deixe para o fim da vida. Ele pode ser feito a qualquer momento, e idealmente se inicia quando você começa a acumular patrimônio – o que não significa ser rico!

Essa importância é suscitada pelo momento de partilha de bens herdados, que não raro suscita conflitos entre os contemplados que podem ter consequências imprevistas. 

Ter regras claras os ajuda a passarem por esse momento com mais rapidez, clareza e harmonia – e garante que sua vontade será cumprida.

O que diz a lei sobre heranças?

Ponto importante do planejamento sucessório é informar-se sobre o que diz a lei brasileira para, assim, entender quais são os limites e por onde você deve andar.

Atualmente, 50% dos bens são garantidos para os herdeiros necessários (ascendentes e/ou descendentes mais próximos – pais, filhos, avós – e cônjuges). Os outros 50% podem ser distribuídos de outras formas para herdeiros facultativos, como instituições não-governamentais ou pessoas com quem você não compartilha laços de sangue.

Caso nenhum tipo de ação de planejamento sucessório seja tomada, 100% dos bens irão para os herdeiros necessários. 

Ainda falando de legislação, planejar-se nesse sentido permite que seus herdeiros paguem a menor quantia possível de Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doação (ITCMD).  Sua alíquota é determinada estado a estado e aplicada sobre o valor recebido de heranças e doações de bens imóveis ou móveis. 

No vídeo, descubra o que é ITCMD

Como realizar o planejamento sucessório na prática?

Por conta das diversas variáveis envolvidas (quantidade e identidade dos herdeiros, vontades e desejos do planejador, valor e distribuição do patrimônio, entre outras) não existe uma única receita de planejamento sucessório.

Há, no entanto, alguns passos básicos:

  • Identificação do patrimônio a ser distribuído
  • Formas em que o patrimônio se dá
  • Obrigações legais envolvidas (quem são os herdeiros necessários; se houver matrimônio, qual o tipo de divisão de bens, etc.)
  • Verificação de pendências judiciais

Com essas informações desvendadas, é possível aplicar uma série de ferramentas legais, como as descritas abaixo:

Holding familiar

Trata-se de uma empresa criada especificamente para tratar de seu planejamento sucessório familiar e que controla seu patrimônio. É possível criar essa holding ainda em vida.

Por ser uma empresa, ela precisa seguir as leis de participação societária. Os herdeiros se tornam legalmente sócios, com quotas ou ações dessa holding que representam sua parte da herança. 

Ao se atender uma cláusula de doação, permite-se que o quinhão de cada um seja transferido. Também é possível incluir diversas outras cláusulas de controle no contrato, conforme for o desejo de quem está distribuindo seus bens.

Entre as vantagens da holding familiar estão: proteção dos ativos; menor carga tributária; gerenciamento de conflito através das regras de convivência entre sócios dispostas em contrato. 

“Trata-se de ‘instrumento jurídico multidisciplinar’ por envolver diversas áreas do Direito, que interagem para garantir o máximo de eficiência, agilidade e segurança na transferência do patrimônio de uma pessoa após a sua morte”,  resume Mário Luiz Delgado é advogado, professor da Faculdade Autônoma de Direito de São Paulo.

Planos de previdência privada/seguros de vida

No Brasil, a contratação de planos de previdência privada ou seguros de vida é bastante popular no planejamento sucessório familiar ou não, visto que permite a transferência rápida e eficiente de recursos

No caso da previdência, planos do tipo VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre) são especialmente buscados: o ITCMD não incide sobre ele. 

Doações em vida (com ou sem usufruto)

Há quem prefira evitar que tudo fique para depois. É aí que entra a doação em vida de bens imóveis ou móveis, que deve ser feita formalmente e informada no Imposto de Renda das duas partes. 

É muito comum que se faça a doação com reserva de usufruto. Essa ferramenta garante tanto que o proprietário possa usufruir do que está doando até o fim da vida (e evite usos ou vendas sem autorização), quanto deixa claro quem será o herdeiro uma vez que ele faleça.

Atenção: é possível evitar pagamento de ITCMD, desde que a doação respeite o valor máximo determinado por cada estado. 

Testamento

Trata-se da forma mais famosa de organizar seu planejamento sucessório, familiar ou não.

Como mencionado anteriormente, a lei brasileira exige que metade do patrimônio vá para os herdeiros necessários (ascendentes e/ou descendentes mais próximos; cônjuges) e permite que a outra metade seja distribuída como a pessoa quiser.

O testamento pode ser lavrado publicamente em cartório, na presença de duas testemunhas, ou com um advogado – lembrando que é sempre uma boa opção consultar esses profissionais nesse momento tão importante!

Aumente seu patrimônio investindo em imóveis

O planejamento sucessório, como se vê, não precisa ser algo apenas post-mortem. É possível distribuir seu patrimônio em vida de diversas formas, inclusive na forma de investimento em imóveis!

A Loft, que já escreveu um e-book gratuito sobre investir no mercado imobiliário, possui um amplo portfólio de apartamentos à venda em São Paulo e no Rio de Janeiro

Quer mais? Há também um time jurídico especializado na emrpresa, disponível para ajudá-lo a pensar nas melhores maneiras de tornar seu novo imóvel parte de seu planejamento sucessório.

Leia também: Entenda como funcionam os fundos imobiliários

Conclusão

Pouco importa sua idade: pensar em planejamento sucessório é importante para qualquer um que esteja acumulando patrimônio.

Isso não só diminui suas preocupações em vida, como também evita que seus familiares e outras pessoas com quem você se importa tenham que se embrenhar em longos e possivelmente custosos processos legais para ter acesso ao que você quer herdem.

Há diversas ferramentas para se atingir esse fim, que devem ser analisadas caso a caso e preferencialmente com a ajuda de um advogado. Aproveite e elimine essa dor de cabeça!