Síndrome do ninho vazio: entenda o que é e como identificá-la

sindrome-do-ninho-vazio
Tempo de leitura: 5 minutos

A condição do “ninho vazio” pode acometer pais de jovens que acabaram de sair de casa para morar sozinhos; descubra os sintomas e formas de tratar a síndrome

Neste artigo, você vai encontrar:

  • O que é a síndrome do ninho vazio
  • Principais sintomas e características 
  • Dicas para lidar com a síndrome do ninho vazio

Chega um momento da vida em que jovens adultos começam a fazer suas próprias escolhas e a tomar as rédeas da sua rotina. Geralmente, é neste período que vem a decisão de sair da casa dos pais, para que seja possível tornar-se uma pessoa independente, inclusive financeiramente. 

Para alguns pais, no entanto, a saída dos filhos pode levar a um descompasso psicológico, a chamada síndrome do ninho vazio. Neste artigo, vamos explicar o que é a síndrome do ninho vazio, sintomas mais comuns e como tratar a questão para manter a saúde e a qualidade de vida.

O que é a síndrome do ninho vazio?

A síndrome do ninho vazio (SNV) é caracterizada pelo sofrimento dos pais após a saída dos filhos de casa. A tristeza e o desânimo causados pela síndrome vêm da sensação de esvaziamento do seio familiar, com os pais sentindo perda de propósito.

O InfoEscola esclarece que a síndrome do ninho vazio costuma ser pontual, com hora certa para acabar. “Sua duração se estende do instante de separação dos filhos até o estabelecimento de uma nova ordem familiar. Todavia, caso a tristeza presente na síndrome se prolongue e vier acompanhada por ausência de objetivos, pode transformar-se em depressão.”

A psicóloga Joana Baldi explica como identificar a síndrome do ninho vazio

Síndrome do ninho vazio: sintomas e tratamento

De acordo com a Sociedade Brasileira de Inteligência Emocional, a síndrome do ninho vazio pode apresentar os seguintes sintomas:

– Depressão;
– Distúrbios do sono;
– Melancolia;
– Raiva;
– Distúrbios alimentares;
– Diminuição da libido.

As mulheres são as mais atingidas pela síndrome do ninho vazio, embora nas últimas décadas tenham se dedicado a outras responsabilidades além da educação dos filhos. De acordo com dados do IBGE, em 2016 as mulheres se dedicavam 73% a mais a afazeres domésticos do que os homens. 

“Hoje, é comum encontrarmos pacientes homens falando do ‘vazio’ após a saída dos filhos. Mas as mulheres ainda são mais atingidas pela síndrome por passarem mais tempo do que eles na criação dos filhos e manutenção da casa”, disse a psicóloga Adriana Sartori, mestra no tema pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), em entrevista à BBC Brasil.

É sempre recomendado procurar ajuda profissional se apresentar sintomas de depressão. Um psicólogo será capaz de orientar o tratamento e chegar à raiz do problema junto com quem sofre de síndrome do ninho vazio.

Há algumas mudanças de atitude que podem ser empregadas nos casos mais leves e como complemento ao tratamento de condições mais severas da síndrome. A seguir, veja as dicas para lidar com a síndrome do ninho vazio:

1) Encerre o ciclo e entenda a nova fase

Geralmente, divide-se a vida em três grandes períodos: infância, vida adulta e velhice. Hoje, no entanto, já percebemos que há diversas nuances em cada uma dessas fases. A infância emenda com a adolescência e logo depois nos tornamos jovens adultos. É preciso entender que os ciclos se encerram e uma nova etapa começa.

Enxergar o lado positivo da situação é o melhor remédio para superar momentos difíceis. No caso da síndrome do ninho vazio, vale pensar que você criou seus filhos tão bem que agora eles são adultos independentes e em busca de desenvolvimento pessoal. O momento em que eles saem de casa não é o fim, e sim um novo começo para toda a família, repleto de possibilidades e boas vibrações.

2) Dedique-se a novas atividades

Restabelecer sua rotina é a primeira ação para superar a síndrome do ninho vazio. Do que você gosta? Com o que quer gastar seu tempo? Agora que não tem mais que levar os filhos aos lugares ou preparar refeições para a família toda, pode ser difícil responder a essas perguntas. Mas a resposta está em encontrar novas atividades para preencher os dias com bem-estar.

Com uma rotina saudável e repleta de atividades prazerosas, aos poucos é possível transformar o vazio. Por isso, dedique-se a fazer cursos, a algum novo hobby (pode ser marcenaria, pintura, culinária, etc.) e à prática de esportes.

sindrome-do-ninho-vazio-atividades
Buscar novas atividades, seja presencialmente ou online, é uma das maneiras de combater a síndrome do ninho vazio

3) Mantenha o foco no seu desenvolvimento pessoal

Já que falamos em cursos, que tal aproveitar este momento para fazer aquela pós-graduação que você nunca teve tempo para ingressar? Ou até mesmo cursar uma nova graduação, para mudança de carreira, ou se matricular em um curso de língua estrangeira. Aprender nunca é demais, e é fundamental manter a mente sempre em desenvolvimento.

4) Aumente seu círculo de amizades

Muitos pais acabam construindo suas relações de amizade em função dos filhos. Ficam amigos dos pais de coleguinhas da escola, se aproximam de casais com filhos da mesma idade no condomínio ou até criam um laço com profissionais que atendem as crianças, como médicos e professores.

É importante criar um círculo de amizades baseado em outros interesses em comum. Que tal fazer um curso de algo que chama a sua atenção e, a partir daí, fazer novos amigos? Ampliar as possibilidades de vida social ajuda a superar a fase de saída dos filhos de casa.

5) Repense seu lar

Imagine este quadro: os filhos já não moram na casa e você se viu com dois quartos vazios, além de uma área social montada em função da antiga rotina familiar. O que fazer? Renovar a decoração é a melhor resposta.

Se encontrou um novo hobby e precisa de espaço para ele, que tal transformar um dos quartos em estúdio criativo? Também dá para criar um escritório e quarto de hóspedes, ou até mesmo ampliar a suíte máster com um closet. Mudar as cores das paredes e se dedicar a uma decoração com plantas são outros caminhos possíveis, o importante é colocar a mão na massa.

Para quem deseja começar uma nova fase da vida em um ambiente diferente, a Loft oferece apartamentos na sua região favorita em São Paulo e no Rio de Janeiro para qualquer orçamento, todos entregues com opção de reforma para evitar o máximo de dor de cabeça.

É comum que os pais sintam a necessidade de morar em um apartamento menor após a mudança dos filhos. A troca de apartamento pode ser inclusive vantajosa financeiramente, já que uma opção comum nessa fase da vida é optar por vender um apartamento maior e comprar um menor – geralmente mais em conta.

Além desta opção, caso não deseje se mudar, é possível alugar quartos por temporada. Somado à renda extra, você terá contato com pessoas diferentes, o que gera uma novidade na rotina. Esta atividade tem se tornado cada vez mais popular em países europeus, onde os pais se veem sozinhos em casas e apartamentos grandes demais.