taxa-balcao-financiamento-imobiliario

O que é a taxa de balcão em um financiamento imobiliário?

8 MINUTOS DE LEITURA

A famosa taxa de balcão é uma taxa de juros cobrada de pessoas que querem conseguir crédito com um determinado banco, mas não usam produtos financeiros e nem têm um relacionamento já desenvolvido com esse mesmo banco. Apesar de serem mais altas que os juros praticados para clientes fiéis, pode valer a pena adotá-las no seu financiamento dentro de determinadas situações. 

Neste artigo, vamos explicar em mais detalhes o que são taxas de balcão em financiamentos imobiliários e quanto elas valem em alguns dos principais bancos do país. Você vai saber também como reduzir os juros na hora de comprar um imóvel, e como conseguir as melhores taxas do mercado.

Afinal, o que é a taxa de balcão em um financiamento de imóvel?

A taxa de balcão em um financiamento imobiliário é a taxa de juros que o banco pratica para aquela pessoa interessada em comprar um imóvel que não tem um relacionamento prévio com esse mesmo banco. Não é cliente dele, não usa cartões de crédito da instituição etc. A procura pelo banco, muito provavelmente, foi motivada apenas pela necessidade de comprar um imóvel. 

O que caracteriza a taxa de juros de balcão é que ela é mais alta. O termo ‘taxa de balcão” é usado principalmente para se referir aos financiamentos da Caixa, que é responsável por 69% do crédito concedido para a compra de imóveis no Brasil. A instituição sempre informa em seus canais oficiais quais são os juros máximos oferecidos para cada modalidade.

Por outro lado, quem já é cliente e tem um bom relacionamento com o banco também reúne mais chances de ver aprovadas taxas menores para o seu financiamento. A tendência é que quanto mais “receio” o banco tenha de emprestar dinheiro para você, piores são as condições da operação de crédito. Também influenciam nessas condições aprovadas: 

  • A renda familiar do comprador comparada ao preço do imóvel (quanto maior a razão entre o primeiro e o segundo, melhor);
  • A comprovação dessa renda e a estabilidade no recebimento  dela (não por acaso, servidores públicos desfrutam de alguns benefícios na Caixa e em outros bancos);
  • O seu histórico de pagamento em órgãos de proteção ao crédito, como SPC e Serasa. Isso inclui a presença do seu nome em cadastros de inadimplência e o score de crédito vinculado ao seu CPF.

Como reduzir a taxa de juros do financiamento imobiliário?

Para reduzir a taxa de juros para um financiamento imobiliário aprovada pelo banco, o ideal é que você siga algumas boas práticas. Destacamos as principais a seguir:

  • Pesquise as condições do mercado e simule: mesmo que você já seja cliente de um banco, é possível que outra instituição tenha condições de financiamento melhores para você. Por isso, não assine um contrato sem antes simular várias linhas de crédito em vários bancos. Se você não quiser perder tempo com essa tarefa, a Loft Cred pode te ajudar.
  • Cultive um bom relacionamento com o banco: para ter uma boa taxa de juros aprovada por um banco, é importante que você use produtos financeiros dessa empresa, mas principalmente que mantenha os pagamentos de contas e prestações em dia. 
  • Demonstre sua capacidade de financiamento para o banco: Não adianta ter dinheiro para pagar por um financiamento se você não puder comprovar isso, certo? Reúna sempre a documentação pedida pelo banco para a comprovação de renda, mesmo que você não trabalhe no regime CLT. Neste artigo mostramos que documentos você precisa arrumar.
  • Se já começou a financiar, use a portabilidade: se você já assinou um contrato de financiamento com um banco, mas achou uma proposta de crédito melhor no mercado, pode recorrer à portabilidade. Ela permite que você migre sua dívida para outro banco que ofereça taxas mais vantajosas.

Para comparar condições de crédito, é importante que você não leve em conta apenas a taxa de juros. O Custo Efetivo Total (CET) é um percentual mais fiel aos seus gastos reais com a operação. Ele inclui, além dos juros, taxas administrativas, seguros obrigatórios e quaisquer outros valores que você paga nas prestações que não sejam parte do dinheiro que o banco emprestou originalmente (a chamada amortização do saldo devedor). 

Qual é a taxa de juros de financiamento imobiliário no Itaú?

No Itaú, há duas principais modalidades de taxa de juros para financiamentos imobiliários. Uma delas é corrigida pela Taxa Referencial (TR), mas tem um percentual fixo, e a outra varia de acordo com o rendimento da poupança, além de também ter correção pela TR. Separamos essas taxas aqui embaixo, com números atualizados em junho de 2021:

  • Juros fixos: juros de 6,9% ao ano, com atualização do saldo devedor pela TR (que está zerada desde 2017).
  • Juros atrelados à poupança: o banco estabelece uma taxa fixa de 3,95%, que é somada ao índice da poupança, de acordo com a Selic. Quando a Selic vale até 8,5% ao ano, esse complemento será o equivalente a 70% da Taxa Selic. Se for maior que 8,5%, o valor será fixado para esse complemento será de 6,17% ao ano. A correção do saldo devedor é feita pela Taxa Referencial, a cada a mês.

Qual é a taxa de juros de financiamento no Bradesco?

O Bradesco também aderiu à modalidade de financiamento com juros atrelados à poupança. Mas mantém, assim como o Itaú, uma linha de crédito com taxa fixa e correção pela Taxa Referencial. Vejamos as condições praticadas pelo banco:

  • Juros atrelados à poupança: o Bradesco concede financiamentos com taxa fixa de 3,95% ao ano, que sobe de acordo com o rendimento da Poupança. Portanto, com a Selic a 3,5% ao ano (em junho de 2021), o total dessa modalidade no Bradesco tem juros de 6,4% ao ano.
  • Taxa fixa + correção pela TR: financiamento com juros fixos entre 6,40% e 6,90% (sendo a última a chamada taxa de balcão), com correção do saldo devedor pela TR.

Qual é a taxa de financiamento imobiliário na Caixa?

As taxas de financiamento imobiliário na Caixa se dividem em quatro modalidades: a que tem correção do saldo devedor pela TR, a que tem essa mesma correção feita pelo IPCA, o financiamento sem qualquer correção monetária (com taxa fixa) e a linha de crédito corrigida pela poupança. Veja abaixo as condições de cada uma delas:

  • Juros atrelados à poupança: nessa modalidade, a taxa de juros fixa varia de 3,35% ao ano a 3,99% ao ano, dependendo do perfil do cliente. Já a parte variável corresponde a 70% da Selic (se a Selic chegar até 8,5% ao ano) ou a 6,17% ao ano, se a Selic estiver maior que 8,5%. 
  • Juros + IPCA: considerado um financiamento com taxas instáveis, já que está ligado diretamente à inflação. Tem juros fixos que variam de 2,95% ao ano a 4,95% ao ano, e a correção do saldo devedor é feita pelo IPCA (que era de 6,76% ao mês em junho de 2021, segundo o IBGE).
  • Juros + TR: é um financiamento com juros fixos, que variam entre 7% e 8,5% ao ano de acordo com o perfil do cliente, mas que tem correção do saldo devedor pela Taxa Referencial.
  • Taxa fixa: linha de crédito sem qualquer correção monetária prevista. A taxa de juros (de 8% a 9,75% ao ano) não varia ao longo do prazo de pagamento. 
Vídeo explica financiamento da Caixa com juros alterados pela poupança

Encontre a melhor taxa de crédito imobiliário com a Loft Cred

Afinal, vale a pena pagar a taxa de balcão no financiamento? Depende das condições da linha de crédito, do valor dessa taxa e do perfil do cliente. Para ser certeiro na escolha do banco que vai financiar sua próxima casa, o ideal é que você conte com especialistas na hora de simular e analisar todas as condições que o mercado oferece para você. 

Essa tarefa fica muito fácil se você procurar a Loft Cred. Somos parceiros dos principais bancos do país, públicos e privados. Além de apurar e trazer para você as taxas de juros e condições que cada um deles oferece, nossa equipe analisa todas elas e indica a mais vantajosa para o seu perfil.  

Mas os benefícios não param aqui: ao financiar com a Loft Cred, você se livra de toda a burocracia que acompanha o processo de contratação de crédito. Nossa equipe cuida de todo o envio de documentos, preenche formulários, ajuda você a resolver qualquer pendência e até registra o contrato de financiamento no cartório depois que ele for assinado. 

Todo esse suporte não tem nenhum custo adicional. Simule com a Loft Cred e veja que financiar uma casa nova pode ser tranquilo.

Outros assuntos que podem lhe interessar

Assine nossa Newsletter
Assine nossa newsletter